Ferramentas Pessoais
Você está aqui: Página Inicial Identificação única para todas as pessoas com algum vínculo com a UFSCar facilita a integração de dados e o acesso a sistemas e serviços institucionais

Identificação única para todas as pessoas com algum vínculo com a UFSCar facilita a integração de dados e o acesso a sistemas e serviços institucionais

Identificação única para todas as pessoas com algum vínculo com a UFSCar facilita a integração de dados e o acesso a sistemas e serviços institucionais

Como localizar Número UFSCar

Desde o início do processo intensivo de investimento na integração dos sistemas de informação da UFSCar, em fevereiro de 2013, a equipe da Secretaria Geral de Informática (SIn) teve de se debruçar sobre um desafio cuja magnitude não é simples de dimensionar: a implantação de um procedimento de identificação única para todas as pessoas que estabelecem, ao longo de sua vida, algum tipo de vínculo com a Instituição. Isto porque, de um lado, o processo de atribuição dessa identificação demanda a conferência de informações em diferentes bancos de dados – muitas vezes de forma manual – e, de outro, uma vez superado o desafio dessa checagem, o agora denominado “Número UFSCar” abre inúmeras possibilidades atuais e futuras de integração e cruzamento de dados, além de facilitar, para o usuário, o acesso aos diferentes sistemas e serviços oferecidos pela Universidade e, até mesmo, por outras instituições. “É importante registrar que estamos falando da checagem de 65 mil cadastros, em relação aos quais tivemos de verificar inconsistências, duplicações, validade ou ausência da informação. Foi um grande esforço, ainda não encerrado, mas é o ponto de partida para uma série de outros avanços já implantados, em desenvolvimento ou sendo planejados”, afirma Cláudia Alves de Souza Mello, Chefe do Departamento de Planejamento e Implantação de Sistemas da SIn, unidade responsável pela implantação do Número UFSCar.

Erick Lazaro Melo, também integrante da equipe, explica que, no início desse processo, diferentes categorias de integrantes da comunidade universitária, bem como os distintos sistemas de informação, utilizavam identificações diferentes, como CPF e RA. Essa discrepância também estava relacionada à duplicidade de cadastros e, consequentemente, à duplicação de esforços no momento de realização do cadastro e à existência de inconsistências nas informações de uma mesma pessoa. Erick Melo explica também que o CPF não pode ser utilizado porque há categorias que estabelecem vínculo com a Universidade que não possuem o registro, como, por exemplo, visitantes estrangeiros. Assim, o RA foi mantido como Número UFSCar para todos os que já o possuíam – ou seja, estudantes e ex-estudantes da Instituição – e, para os demais, um novo número foi gerado.

“Para o usuário, um dos principais benefícios é que, com uma mesma identificação, ele tem acesso aos diferentes serviços e sistemas. Neste momento, os serviços e sistemas que já utilizam o Número UFSCar no processo de autenticação são o Sagui [Sistema de Apoio à Gestão Universitária Integrada], o acesso à rede sem fio e ao serviço de Proxy [acesso externo à rede da UFSCar]. Também estão em processo de inclusão na base de dados integrada outros membros da comunidade, como pesquisadores de pós-doutorado e visitantes, alunos dos cursos de especialização, dentre outros”, explica Cláudia Mello. Além dessa facilidade e da integração entre sistemas – e, consequentemente, da eliminação de trabalho duplicado de cadastro e da garantia da confiabilidade da informação –, a utilização do Número UFSCar permite que a identificação gerada no momento do primeiro vínculo com a Instituição seja mantida ao longo do tempo e, assim, seja registrado o histórico da pessoa junto à Universidade. “Atualmente, isto já tem uma importância em termos da memória institucional e da geração de indicadores. Estamos trabalhando para agregar novos dados ao cadastro, como, por exemplo, cargos ocupados, representações em conselhos, coordenação de projetos, dentre outros, a partir dos quais será possível, futuramente, gerar relatórios para o usuário automaticamente”, complementa.

Outros desdobramentos esperados dizem respeito à possibilidade de vincular documentos ao cadastro, em uma espécie de “prontuário único” disponível digitalmente, e a adesão da UFSCar ao “eduroam”, serviço que reúne instituições de ensino e pesquisa de mais de 60 países e permite o acesso à rede nas instituições cadastradas – e, consequentemente, aos serviços oferecidos na Internet – com a utilização de um mesmo login e uma única senha, gerados e autenticados na instituição de origem.

Atualmente, configurando uma fase de transição, o acesso aos sistemas já existentes na UFSCar pode ser feito a partir da identificação usada anteriormente à implantação do Número UFSCar. No entanto, para aplicações desenvolvidas a partir de agora, o uso da identificação única será obrigatório. Para saber qual é o seu Número UFSCar, basta acessar a página de entrada do Sagui, em https://sistemas.ufscar.br/sagui, e fazer o login com os dados utilizados nos demais sistemas da UFSCar (CPF para servidores, estagiários e estudantes de pós-graduação e RA para estudantes de graduação). No canto superior direito, ao lado do seu nome, o número entre parênteses é o seu Número UFSCar (que, lembramos, no caso de estudantes de graduação e quaisquer pessoas que já tenham sido estudantes de graduação, será o mesmo do RA). Caso tenha esquecido a sua senha, na tela inicial é possível solicitar a recuperação automática de senha a partir da inserção de e-mail e CPF.